18 de janeiro de 2018

A Revolução 4.0 nos processos de QSMS

Nos últimos anos, vêm crescendo o emprego de novas tecnologias e o desenvolvimento de processos automatizados pelas organizações para gerar ganhos de produtividade e atrair e reter clientes.

Grandes multinacionais têm investido pesadamente para se adaptarem à nova economia digital, em que a internet das coisas, inteligência artificial, big data e outras tecnologias passaram a ser incorporadas aos processos tradicionais para aprimorá-los e melhorar os resultados.

A Indústria 4.0, como é conhecida essa etapa da economia (em alusão à 4ª Revolução Industrial), combina o desenvolvimento da indústria com os mais recentes avanços da tecnologia e apresenta diversas oportunidades para o aprimoramento do mundo dos negócios.

No que diz respeito ao relacionamento com os clientes, o uso do big data e de tecnologias para monitorar os hábitos de compras dos consumidores em tempo real, mostram-se cada vez mais importantes para mapear suas necessidades e fornecer inputs para o desenvolvimento de novos produtos e serviços. Organizações de diversos segmentos vêm utilizando essas informações para construírem um relacionamento mais próximo com seus clientes e entender melhor a dinâmica de consumo dentro da indústria.


Críticas


Os críticos da Indústria 4.0 e da evolução da inteligência artificial nos processos corporativos alegam que o uso intensivo das novas tecnologias representa uma ameaça ao mercado de trabalho e tende a aumentar o desemprego em diversos setores ao redor do mundo. No entanto, desconsideram o aumento de produtividade que pode ser gerado em muitas funções e a consequente criação de novas vagas para posições em que as características humanas ainda não encontraram substituto(s).

De acordo com dados da empresa de pesquisa Gartner, até 2020, o uso de sistemas de inteligência artificial irá gerar 500 mil empregos a mais do que as posições perdidas (chegando a 2 milhões a mais até 2025), incluindo vagas que requerem alta qualificação, capacidade de gerenciamento e até mesmo posições menos técnicas. Isso agregaria, até 2021, US$ 2,9 trilhões de valor às empresas, recuperando 6,2 bilhões de horas de produtividade de trabalho.


Qualidade 4.0 e SMS 4.0


A Indústria 4.0 tem afetado as relações de trabalho, o modo de produção e a cultura organizacional em diversas áreas, incluindo principalmente a área da Qualidade. Algumas empresas já empregam tecnologia de ponta desde a etapa de concepção do produto, passando pela produção automatizada, até a manutenção dos equipamentos. Braços robóticos colaborativos em muitos casos já atuam juntamente com as pessoas para realizar tarefas repetitivas com precisão e segurança, tais como montagem de equipamentos e embalagem de produtos. Por meio de inspeções visuais realizadas por equipamentos apoiados por IA, falhas nos processos e produtos fora do padrão podem ser identificados mais cedo, com rapidez e flexibilidade.

Em outros casos, a capacitação da mão-de-obra para operar as máquinas e sistemas é essencial para que as empresas se diferenciem da concorrência e entreguem produtos e serviços com qualidade superior.


Com o desenvolvimento das novas tecnologias, as organizações podem se beneficiar de uma abordagem mais proativa para a detecção e resolução de problemas, uma vez que será possível a automação completa de alguns processos (com uma variabilidade mínima), liberando mais tempo para os gestores focarem na garantia da qualidade em etapas anteriores da produção.

Como consequência, a Qualidade 4.0 gerará equipes de trabalho mais enxutas e focadas na prevenção e gestão de riscos antes dos incidentes/desvios/falhas ocorrerem, devolvendo aos gestores a essência da gestão da qualidade e auxiliando a melhorar a cultura e os resultados das organizações.

Os impactos das transformações digitais nas áreas de Segurança e Saúde no Trabalho e Meio Ambiente (SMS) também são cada vez mais frequentes, levando à criação de novos negócios relacionados a essas áreas e à gestão de novos riscos e oportunidades dentro das empresas. Não à toa, o termo SMS 4.0 também está ganhando relevância e tem sido bastante debatido, principalmente nas organizações de grande porte.

Voltarei a esses assuntos em breve.


Primeiros passos das aplicações à QSMS


Nas áreas de QSMS, o uso, por exemplo, de aplicativos móveis para reportar acidentes, incidentes, falhas e defeitos de produtos e serviços, e/ou oportunidades de melhoria, bem como para realizar inspeções e auditorias, tem sido crescente para reduzir custos e aumentar a produtividade. Bases de dados sincronizadas com esses dispositivos frequentemente são usadas como ferramentas para o gerenciamento das informações reportadas, permitindo maior flexibilidade aos gestores na tomada de decisões.


O QSP, acompanhando as mudanças que as novas tecnologias vêm trazendo às organizações, realizou em 2017 uma parceria com a empresa SafetyCulture para a venda de diversos serviços relacionados ao app iAuditor - o aplicativo mais utilizado no mundo para a realização de inspeções e auditorias. Dentre os principais serviços, destaca-se a customização dos formulários de inspeção e auditoria nas áreas de QSMS para diversos segmentos.

Para mais informações sobre os principais serviços do QSP relacionados ao app iAuditor, entre por aqui.